Lava Jato usou denúncia contra Lula para “criar distração”, diz Intercept

A divulgação da denúncia contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva envolvendo o caso do sítio de Atibaia foi adiada por procuradores da Operação Lava Jato por conta da repercussão dos áudios envolvendo o ex-presidente Michel Temer e o empresário Joesley Batista. É isto que afirma uma reportagem do The Intercept Brasil, divulgada na madrugada de hoje. Após a divulgação do conteúdo, a defesa de Lula já pediu que as mensagens sejam consideradas no processo do sítio.

De acordo com mensagens obtidas pelo site, a procuradora Jerusa Viecelli informou em 17 de maio de 2017 em um grupo da força-tarefa no aplicativo Telegram que a denúncia contra Lula estava pronta. Porém, horas antes, veio à tona os áudios envolvendo Temer e Joesley. Por conta disso, o grupo optou por adiar a divulgação da denúncia, que foi feita cinco dias depois.

Antes de definir a data, o chefe da força-tarefa, Deltan Dallagnol, procurou a Procuradoria-Geral da República (PGR) em 21 de maio de 2017 para saber se haveria operação em Brasília para não dividir as atenções. Ao saber que não haveria operação, Dallagnol liberou a divulgação da denúncia contra Lula. No grupo, o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima disse que o fato iria “criar uma distração e mostrar serviço” da Lava Jato.

Conversa de Michel Temer e Joesley Batista vazou dias antes de denúncia sobre sítio de Atibaia - Alan Santos/PR
Conversa de Michel Temer e Joesley Batista vazou dias antes de denúncia sobre sítio de Atibaia

O site divulgou o conteúdo das conversas do procuradores em um grupo do aplicativo. Nos primeiros dias, os participantes do grupo – que não tiveram ligação com a delação da JBS – repercutem o áudio vazado.

Na ocasião, houve uma suspeita de que o diálogo teria sido editado antes da divulgação do conteúdo, o que afetou a credibilidade de Janot e da PGR. Após Viecelli informar no grupo Filhos do Januário 1 sobre a denúncia, Dallagnol diz que é melhor esperar. “Amanhã será engolida pelos novos fatos. E cá entre nós amanhã devemos ter surpresas”, postou às 20h11 de 17 de maio, quando os áudios já haviam sido divulgados pelo jornal O Globo.

Dois dias depois, Santos Lima avalia que a gestão Temer estaria comprometida. “Os diálogos são indefensaveis no contexto politico. Não há volta para o Temer. Ainda mais que a Globo não está aliviando como os jornais de São Paulo”, disse o procurador, segundo as mensagens obtidas pelo The Intercept. Porém, Viecelli rebate e não vê o mesmo impacto. “Sim. No contexto político. Mas com relação a crime, os áudios não são tão graves como anunciado”, alegou.

“Criar distração”

Já no dia 21 de maio, véspera da denúncia contra o petista, Santos Lima fez uma sugestão no grupo Filhos do Januário 1. “Quem sabe não seja a hora de soltar a denúncia do Lula. Assim criamos alguma coisa até o laudo”, disse. “Acho que a hora está ficando boa, também. Vou checar se tem operação em Brasília. Se tiver, vai roubar toda a atenção”, respondeu Dallagnol.

Minutos depois, segundo o Intercept, Deltan entrou em contato com outro grupo de Telegram – desta vez, com colegas da PGR. “Estamos querendo soltar a nova denúncia do Lula que sairia semana passada, mas seguramos. Contudo, se tiver festa de vocês aí, ela seria engolida por novos fatos. Você pode me orientar quanto a alguma data nesta semana? Meu receio é soltarmos em um dia e, no dia seguinte, ter operação, porque aí mata a repercussão”, questionou Dallagnol. “Sem operações previstas para esta semana”, reagiu um colega.

Deltan, então, voltou para o grupo dos procuradores e confirmou a intenção, que foi aprovada pela procuradora Jerusa Viecili: “Faremos o release amanhã”.

Segundo o Intercept, Carlos Fernando dos Santos Lima disse que denúncia contra Lula criaria "distração" - Geraldo Bubniak/AGB/Estadão Conteúdo
Segundo o Intercept, Carlos Fernando dos Santos Lima disse que denúncia contra Lula criaria “distração”

Santos Lima também concordou e disse, ainda de acordo com o Intercept, a seguinte frase. “Vamos criar distração e mostrar o serviço”.

Semanas depois das conversas, uma perícia feita pelo INC (Instituto Nacional de Criminalística), órgão ligado à Polícia Federal, concluiu que não houve interrupções ou edições na gravação entre Temer e Joesley.

Procurado pelo site The Intercept Brasil, o Ministério Público Federal do Paraná informou que “quando nenhuma questão legal (como a existência de prazo ou risco de prescrição) ou razão de interesse público determina o momento de apresentação de uma denúncia ou manifestação, a força-tarefa ouve a equipe de comunicação quanto ao melhor momento para sua divulgação”.

O site também procurou Santos Lima, mas não ele respondeu aos contatos. Já a PGR informou que não iria se manifestar. Desde o começo da divulgação das denúncias feitas pelo The Intercept Brasil, Dallagnol alega que o conteúdo foi obtido de forma criminosa.

Fonte: Notícias UOL

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here