Último sobrevivente entre os clubes do DF, Brasília tem chance de, enfim, garantir jogo internacional

20150930112414129668uEntre os times de futebol do DF, o único que sobrevive em atividade nesta temporada terá nesta quarta-feira (30/9), às 22h, um duelo à prova de fogo. O Brasília enfrenta o Atlético-PR com a missão de vencer para não ser eliminado da Copa Sul-Americana e decretar uma seca nos gramados candangos até o fim do ano. Para o elenco colorado, o Estádio Nacional Mané Garrincha lembrará o Coliseu nos tempos áureos do Império Romano, em que o local era palco de representações de grandes batalhas, encenadas com tal realismo, que, em muitos casos, valiam a vida de verdade dos participantes.

Para a metáfora não valer para o Brasília, a equipe precisa vencer por dois gols de diferença, que garante a classificação direta para as quartas de final, já que perdeu por 1 x 0 o confronto de ida. Se devolver o placar da Arena da Baixada, a decisão será nos pênaltis. “Vamos entrar em campo com a faca nos dentes para tentar trazer essa vaga de qualquer maneira. Faça sol, frio, chuva… Pode até nevar em Brasília que garra e disposição não vão faltar”, jura o técnico do Brasília, Omar Feitosa.

“Tem de ser o jogo das nossas vidas, porque se não passarmos, acaba tudo”, admite o atacante Giba, que pretende dar fim ao jejum de três partidas sem balançar as redes. Diante de uma suposta eliminação, restaria ao Brasília esperar o tempo passar até a próxima temporada. A equipe se juntaria aos demais conterrâneos, que já não contam com competição neste ano. Nesta trajetória, alguns antigos “gladiadores” morreram cedo em 2015, caso do Brasiliense que viu a temporada encerrada após a eliminação na semifinal do Candangão.

A sobrevida do Luziânia durou pouco. O time integrou a fase eliminatória da Copa do Brasil, mas nem chegou a disputar o segundo jogo, pois perdeu por 3 x 0 do América-MG. Brasília, por sinal, também participou da competição. O rendimento, porém, não se mostrou dos melhores: foi desclassificado após perder os dois confrontos contra o Náutico, o primeiro por 1 x 0 e o segundo por 2 x 0. A baixa mais recente foi o Gama, eliminado da Série D do Campeonato Brasileiro em 13 de setembro.

“Em caso de sucesso, vamos continuar trabalhando, vai ter emprego para muita gente, nossos familiares se alegram, além de poder ligar para os amigos e dizer seguimos vivos, que eliminamos dois clubes da primeira divisão”, comenta André, zagueiro do Brasília. Antes de pegar o Atlético-PR, pelas oitavas de final, o colorado eliminou o Goiás, após empatar o primeiro jogo na capital e vencer o segundo por 2 x 0, no Sera Dourada.

Como se preparassem para uma batalha, os jogadores do Brasília estão concentrados num hotel desde a segunda-feira. O clima nos bastidores da equipe, Giba promete que é o melhor possível. O único desfalque será Victor Hugo, que se recupera de um choque que sofreu na partida de ida contra os rubro-negros. O goleiro Artur, que também se machucou no primeiro confronto, está relacionado. E o volante Pedro Ayub, desfalque do último jogo por conta de uma contratura sofrida na panturrilha, treinou normalmente ontem, mas não deve começar jogando, segundo Omar Feitosa.

A recompensa para uma possível classificação vai além do feito histórico. Uma “retribuição financeira” já foi prometida em caso de êxito, assim como ocorreu na primeira fase da competição. Mesmo assim, há quem diga que não liga para o dinheiro a mais na conta bancária. “Não dá pra pensar nisso. A gente pensa realmente na história que escreveremos no clube. Não é conversa fiada”, ressalta André. “A ideia é ir adiante, passar de fase, poder viajar para fora do país. Visitar Colômbia, Uruguai ou seja qual país viermos a enfrentar”, completa. A equipe classificada medirá forças com o Sportivo Luqueño, do Paraguai.

Fonte: www.df.superesportes.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here