Avião supersônico poderá voar de Los Angeles a Tóquio em menos de três horas

Aerion AS3 será capaz de levar 50 passageiros com velocidade de até 6.200 km/h, sete vezes mais rápido que um avião comum

No momento, muitos não podem nem voar para fora de seus países, mas se acreditarmos nos fabricantes de aviões da Aerion, na Flórida, até o final da década conseguiremos fazer a rota entre Los Angeles e Tóquio em menos de três horas de voo. 

Apresentado na segunda-feira (29), o Aerion AS3 é um avião comercial Mach 4+ (medida que descreve a velocidade da aeronave em comparação com a velocidade do som no ar), que seus fabricantes dizem que será capaz de transportar 50 passageiros em um alcance de 7 mil milhas náuticas.

“Nossa visão é construir um futuro onde a humanidade possa viajar entre quaisquer dois pontos do nosso planeta em três horas. O voo supersônico é o ponto de partida, mas é apenas isso — o começo”, disse o presidente e CEO da Aerion, Tom Vice, em um comunicado. “Nós devemos ultrapassar os limites do que é possível”. 

No início deste ano, a Aerion expandiu sua parceria contínua com o Langley Research Center, da Nasa, com foco específico em voos comerciais na faixa de Mach 3-5.

Para colocar isso em termos leigos, são 3.700 a 6.200 quilômetros por hora — ou até sete vezes mais rápido do que um avião normal de passageiros de longa distância.

O trabalho de conceituação e design está em andamento, com mais detalhes definidos para serem apresentados no final de 2021.

Sede da Aerion
Sede da Aerion, na Flórida

O AS3 é o segundo avião a ser apresentado da família de jatos da Aerion, e também há planos futuros para aviões supersônicos híbridos-elétricos.

O AS2 — que promete voar de Nova York a Londres em quatro horas e meia — é a oferta da Aerion para se tornar a primeira aeronave supersônica de passageiros a entrar em serviço comercial em mais de 50 anos.

O jato executivo para 8-12 passageiros viajará a velocidade Mach 1,4 (mais de 1.600 km/h), com a produção da nave supersônica iniciando em 2023. O primeiro voo do AS2 está previsto para 2024 e a empresa pretende levar o avião ao mercado em 2026.

A Aerion está atualmente construindo uma imensa nova sede global na Flórida, ao lado do Aeroporto Internacional Orlando Melbourne, para trabalhar em seus projetos ambiciosos.

Aerion AS2
Aerion AS2 poderia fazer um vôo entre Nova York e Loondres em quatro horas e meia

Nova era supersônica

O último jato supersônico de passageiros a cruzar o céu foi o Concorde, que deixou de operar há mais de 17 anos. Embora fosse uma maravilha da engenharia, tinha altos custos e alto impacto ambiental.

“O Concorde era uma máquina brilhante, um experimento nobre, mas deixava muitas emissões no meio ambiente, muito ruído em nossas comunidades e era muito caro para operar. O que estamos tentando fazer é muito diferente”, disse Tom Vice à CNN em 2020.

As ambições da Aerion são que suas aeronaves operem benignamente nos céus: “O mundo não pode esperar até 2050 para se tornar neutro em carbono. Temos que fazer isso hoje”, disse Vice.

‘Menor queima de combustível possível’

Interior do avião
Simulação de como seria o interior do Aerion AS2

Os parceiros do programa AS2 da Aerion incluem a GE, que está produzindo o motor supersônico Affinity, e a Spirit AeroSystems, que está fabricando a fuselagem pressurizada do AS2. 

A Honeywell está revolucionando a cabine de comando, usando sua experiência em jatos militares supersônicos para projetar os processadores de missão, visores, sensores e sistemas de controle de voo do AS2.

“Tivemos que projetar uma aeronave que fosse incrivelmente eficiente com a menor queima de combustível possível, então passamos 10 anos pensando em aerodinâmica avançada e motores com baixo consumo de combustível. Projetamos especificamente em torno de ruído e emissões”, disse Vice.

Uma das coisas que esse avião não terá — e que o Concorde tinha — são pós-combustores, um sistema em que o combustível é pulverizado no escapamento do motor e queimado para aumentar o impulso durante a decolagem e a aceleração.

“Nós descartamos isso, porque é muito barulhento e emite muito monóxido de carbono no meio-ambiente”, diz Vice. “A segunda coisa em que pensamos foi a nossa fonte de energia. Queríamos uma aeronave que não dependesse de combustíveis fósseis e que pudesse operar com combustíveis 100% sintéticos desde o primeiro dia”.

A empresa também está comprometida com um programa de reflorestamento substancial para garantir compensações de carbono para todos os clientes em todos os voos.

‘Viagem sem estrondo’

Vice disse à CNN em 2020 que o AS2 foi projetado para atender aos Cinco Estágios de Padrões de Ruído de Aviões, os regulamentos de ruído de pouso e decolagem mais rigorosos. “Achamos que resolvemos esse problema”, diz Vice. “Nossa aeronave será tão silenciosa quanto as outras aeronaves nos aeroportos”. 

Mas talvez um dos recursos mais inovadores do AS2 seja sua “viagem sem estrondo”, que permite ao avião voar supersonicamente sobre a terra sem que o estrondo atinja o solo. Em vez disso, o ruído é refratado de volta à atmosfera.

Aerion inventou a “viagem sem estrondo” porque o tipo alternativo de voo supersônico mais silencioso, chamado “baixo estrondo”, embora menos barulhento que o Concorde, ainda produz ruído no solo semelhante ao estrondo de um trovão distante.

Vice está ansioso para provar que a nova tecnologia funciona e “assim que os reguladores virem que podemos fazer isso de maneira confiável, teremos a primeira aeronave da história capaz de voar supersonicamente sobre a terra e ninguém no solo ouvirá o estrondo”.

Vice avalia que a ausência do barulho, juntamente com operações neutras em carbono, proporcionarão vantagens de produtividade atraentes para clientes AS2 em potencial.

Família supersônica

Aerion AS2
As ambições da Aerion vão além do AS2

“Analisamos como os donos de empresas voam. Nós observamos uma empresa de Nova York, que voava jatos executivos ao redor do mundo e, quando substituímos por um AS2 e repetimos essas rotas para cada passageiro que voou naqueles aviões, percebemos que o AS2 economizaria 142 horas por ano”, disse Vice. 

A Aerion tem vários concorrentes nos campos da aviação supersônica e hipersônica, mas o que está gerando mais agitação é a empresa Boom.

Em outubro de 2020, a start-up com sede em Denver, também nos Estados Unidos, fez história ao lançar sua aeronave de demonstração XB1, o primeiro avião supersônico desenvolvido de forma independente.

Chamado de Baby Boom, a fuselagem de 21 metros de comprimento é um protótipo em escala 1:3 da abertura para jato comercial supersônico da start-up Boom, que deve ter uma velocidade máxima de Mach 2.2, sendo capaz de voar de Londres a Nova York em apenas três horas e 30 minutos.

Fonte: CNN

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here