DF está preparado caso surja uma segunda onda de convid-19, avalia governador

Mesmo com a desaceleração dos casos da Covid-19 no DF, o que está levando a desmobilização dos leitos dos  hospitais de campanha, como o do Mané Garrincha, a Secretaria de Saúde estará melhor  preparada, caso ocorra uma segunda onda da doença no Distrito Federal

A avaliação foi feita nesta quinta-feira (08) pelo governador Ibaneis Rocha em Sobradinho

“Ninguém ficou sem atendimento no DF durante esses oito meses”, disse  o governador ao ser questionado por jornalistas sobre a pandemia no Distrito Federal.

A manifestação de Ibaneis ocorreu durante o lançamento do projeto de implantação de uma nova rede de  iluminação pública na região de Sobradinho.

O governador avaliou que o seu governo fez e está fazendo um bom combate contra o novo coronavírus, com ações que têm dado certo, desde o início da pandemia.

Ibaneis afirmou ainda que o Distrito Federal não teme uma segunda onda da doença como estimam os infectologistas.

Por outro lado, a Secretaria de Saúde informou ao Radar-DF, que diante do cenário atual e com a baixa ocupação de leitos, a pasta não vê necessidade de renovar o contrato  de gestão do Hospital de Campanha Mané Garrincha (HCMG).

O contrato encerra no próximo dia 20 de outubro e a SES terá ainda mais 30 dias para a retirada da infraestrutura  hospitalar.

Nesta quinta-feira (8), a taxa de ocupação de todos os leitos para a Covid-19 no DF é de 63%. Ou seja, existem 164 leitos vagos em toda a rede pública.

“A desativação no Mané Garrincha não vai impactar a lotação das demais unidades que atendem casos de coronavírus. Isso porque estamos em tendência de queda do número de casos. Há, portanto, leitos vagos na rede que podem absorver a atual demanda, que será regulada por meio do Complexo Regulador da Secretaria de Saúde. Nenhum paciente ficará sem leito”, informou a pasta ao Radar-DF.

A Secretaria de Saúde destaca ainda que a desmobilização gradual de leitos exclusivos para a Covid-19 está em planejamento e obedecerá um cronograma rígido e controlado por técnicos de saúde e estatísticos. A data inicial ainda está em definição.

Cercados por todos essas garantias e pela desaceleração da pandemia no Distrito Federal, o governador é taxativo ao afirmar que, no quesito saúde, o DF sairá dessa guerra bem maior do que entrou.

“A Secretaria de Saúde está fortalecida, mais equipada e pronta para agir, caso surja uma segunda onda da pandemia”, disse o governador.

Por Toni Duarte

Fonte: RadarDf

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here