Depois de 15 anos, ‘Os incríveis’ estão de volta aos cinemas

20180627163444430493iQuase 15 anos de espera não distanciaram os fãs de Os Incríveis da adrenalina e do encantamento com a família Pêra, os heróis de animação que alavancaram a carreira do diretor Brad Bird. Depois do hit de 2004, o diretor norte-americano viria a conquistar legiões de cinéfilos, com títulos como Ratatouille (2007) e Missão impossível — Protocolo fantasma (2011). Uma penca de astros como Craig T. Nelson, Holly Hunter e Samuel L. Jackson emprestam a voz para as dublagens dos heróis. No Brasil, os personagens de Bird ganham as vozes de personalidades como Raul Gil, Evaristo Costa, Octaviano Costa e Flávia Alessandra, mas a fagulha inicial que originou Os Incríveis permanece intacta, pelo que define Brad Bird: o sentimento de família segue como ponto central do novo longa.
Para a imprensa estrangeira, o cineasta comentou que, à época do primeiro longa, havia um cenário arejado e sem a sensação de sufocamento imposta com a exagerada quantidade de filmes de heróis presente, atualmente, nas telonas. Entretanto, o comentário não liquida a fonte primordial dos ativos pais do lar dos Pêra, Roberto e Helena (mais conhecidos como Sr. Incrível e Mulher Elástica), movidos a humor e ação. Em contraponto às incontáveis despedidas e ligações via universos paralelos utilizadas corriqueiramente nos filmes de heróis, o discurso de divulgação de Os Incríveis 2, que reúne as emblemáticas Pixar e Disney, se descola de padrões.
Considerados “ilegais”, os heróis ensaiam um retorno por meio de campanha orquestrada por Helena. No meio tempo, cabe ao pai Beto a tutela (e os trabalhões) dados, em casa, pelos jovens Violeta e Flecha, além do bebê Zezé. A intensificação da paternidade de Beto coincide com o despertar dos ainda descontrolados poderes do bebê Zezé, que engatinha na descoberta da genética privilegiada.
Veículos respeitados da imprensa internacional, como IndieWire, chamaram a atenção para nítidas renovações nos recursos visuais adotados na elaboração das coreografias de ação do longa. Com poder de fogo mais ameno do que o das bilheterias do concorrente mais imediato, o longa Jurassic Park: reino ameaçado (que, na estreia mundial, contabilizou US$ 712 milhões), Os Incríveis 2 arrecadou US$ 485 milhões.
Novo vilão
Mas, muitas publicações não se furtaram do comparativo entre o potencial de Brad Bird e do colega de profissão, o mago Steven Spielberg. “Bird persegue o monotrilho (de direção única) da ação frenética aos moldes do padrão Spielberg”, grafou o IndieWire. Ao The Washington Post, Brad Bird admitiu a mais elevada admiração por Spielberg. “Adoro muito ele, quando se fala em ação em cinema. Gosto ainda de James Cameron (Avatar) e George Miller (de Mad Max: Estrada da fúria)”, ressaltou.
Sob a ameaça do vilão chamado Hipnotizador, a família Pêra, em Os Incríveis 2, vai unir forças com Lúcio, mais conhecido como Gelado, para o reestabelecimento da ordem. Ainda no longa que tem produção de Nicole Grindle (que assinou a mesma função em Toy Story 3) rolam implicações entre inteligência artificial e condições de alienação, além de assaltos a banco, controle da mente, claro, e os primeiros passos da paixonite despertada pelo personagem Toninho Rodrigues, na empolgada Violeta.
Algumas curiosidades
• Brad Bird dirigiu Os Incríveis, tendo com ele ganhado o Oscar de melhor longa-metragem animado. Bird também dirigiu, em 2007, o filme premiado Ratatouille. Oito anos antes, ele havia criado O gigante de ferro, detentor do Bafta de melhor animação.
 
• Edna E. Mode, a designer das roupas dos super-heróis (e um dos personagens mais queridos pelo público) transformou completamente a forma de trabalhar: antes, as técnicas traziam ares chapados nos corpos dos colegas animados, mas, agora, houve reforço na adição de textura em cada vestimenta. As origens da família de Edna (com parentes japoneses e alemães) reforçou a multiplicidade de estilos de vestimentas dos heróis, pelo que contou o diretor (que curiosamente dubla a personagem).
• Duas vozes foram alteradas em Os Incríveis 2: o agente Rick Dicker ganha a voz de Jonathan Banks, de Better call Saul (com a morte de Bud Luckey). O personagem Flecha agora tem a voz do estreante Huck Milner.
• Aos caçadores de easter eggs (preciosas citações de cinema que se repetem) vale a menção de que o caminhão Pizza Planet e a placa de veículo A113) estão presentes no filme. Além disso, muitos dizem que Toy Story 4 (que estreia em 2019) também trará outros easter eggs.
 
• Lançado há 14 anos, o primeiro filme arrecadou mais de US$ 633 milhões. Com mais de US$ 70 milhões faturados num fim de semana, Os Incríveis estabeleceu o padrão, sendo a segunda maior abertura para um filme de animação em todos os tempos.
DEPOIMENTO
Chico Jorge, 10 anos (e meio)
“A aguardada continuação de Os Incríveis sai nesta semana e estou muito animado. Tudo o que sabemos é que uma empresa ‘nem um pouco suspeita’ chamada Devil Corp. quer entrar no negócio da volta dos heróis e, para isso, está financiando as missões da Mulher Elástica (a Sra. Incrível) contra o Hipnotizador. Vai ser divertido ver o Roberto cuidando de uma adolescente ‘chata’, um menino desmiolado e um bebê com poderes descontrolados sem a ajuda da sua mulher. 
P.S.: O Bochecha do primeiro filme é o melhor vilão da Pixar e espero que o Hipnotizador esteja no mesmo nível.
Fonte: CB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your name here
Please enter your comment!