Presente de grego? Liderança do grupo pôs o Brasil em caminho mais difícil até a final

20180628221621507204oSoberano em quase todas as estatísticas históricas das Copas do Mundo, o Brasil confirmou o favoritismo e avançou em primeiro lugar do grupo, após vencer a Sérvia por 2 a 0 na última quarta-feira (27/6) e a Suíça apenas empatar com a Costa Rica. Foi a décima vez consecutiva que isso aconteceu. O último Mundial a ver a Seleção não se classificar na ponta da chave foi o da Argentina, em 1978. Só que, em 2018, a liderança pode ter sido um presente de grego. Isso porque os comandados de Tite caíram no lado mais difícil do chaveamento e terão um caminho duro até uma possível final.
Definidos todos os confrontos das oitavas de final, o lado do Brasil na tabela ficou com Uruguai, Portugal, França, Argentina, México, Bélgica e Japão. No lado oposto estão Espanha, Rússia, Croácia, Dinamarca, Suécia, Suíça, Colômbia e Inglaterra.
Confira a tabela completa da Copa:

CB/D.A Press

A chave brasileira é mais complicada em todos os aspectos. Levando em consideração o número de títulos mundiais, são dez de um lado (cinco do Brasil, dois do Uruguai, dois da Argentina e um da França), contra dois do outro (um da Espanha e um da Inglaterra).
Se considerarmos o ranking da Fifa, a discrepância é ainda mais evidente. Segundo, terceiro, quarto e quinto da lista — Brasil, Bélgica, Portugal e Argentina, respectivamente — estão de um mesmo lado. Lembrando que a líder, Alemanha, foi eliminada ainda na primeira fase da Copa. Do outro lado, a melhor classificada é a Suíça, que ocupa a sexta colocação. Até a equipe mais fraca do lado brasileiro, o Japão, está mais bem cotada que a pior do lado oposto, a Rússia (61ª e 70ª do ranking, respectivamente).
No número de pontos atribuídos pela Fifa para a construção do ranking, nova goleada do lado mais forte. Ao todo, as oitos seleções desta metade somam 8.970 pontos, contra 7.695 da outra parte. Ou seja, uma diferença de 1.275 pontos. São mais pontos do que Portugal (que é o quarto da lista) tem, por exemplo.
Se passar do México na próxima segunda-feira (2/7), às 11h, a Seleção Brasileira vai enfrentar o vencedor de Bélgica e Japão nas quartas de final. O adversário da semi poderá ser Uruguai, Portugal, França ou Argentina. Fica a torcida para que todas essas pedras do caminho sejam usadas na construção do castelo do hexa.
Fonte: CB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here