Líquidos dos cigarros eletrônicos são mais tóxicos que nicotina, diz estudo

20180328001008390734oPolêmico e cercado por controvérsias, o cigarro eletrônico seria menos agressivo à saúde, segundo seus defensores. Um estudo da Universidade da Carolina do Norte, nos Estados Unidos, publicado na revista PLoS Biology mostrou, contudo, que isso não é verdade. De acordo com os pesquisadores, os líquidos utilizados para dar sabor ao dispositivo contêm substâncias tóxicas que variam muito entre elas, sendo algumas mais perigosas que outras. Dependendo do chamado e-liquid, a composição pode ser ainda mais prejudicial que o cigarro de tabaco, alerta o artigo.

Robert Tarran, professor de biologia celular e fisiologia da instituição e principal autor do trabalho, conta que os líquidos são bastante diversos e que não seguem uma padronização. “Em alguns produtos, os componentes eram mais tóxicos que a nicotina sozinha e que os ingredientes base dos e-liquid, que são glicerina vegetal e propilenoglicol, substância também vegetal”, observa Tarran.

O especialista alerta que, nos Estados Unidos, onde o Food and Drug Administration (FDA), órgão de vigilância sanitária, começa a regulamentar esse produto, o cigarro eletrônico está se tornando muito popular. O mais preocupante, diz Tarran, é que cresce a adesão entre adolescentes e jovens adultos. “Pesquisas recentes indicaram que aproximadamente 15% a 25% dos estudantes das primeiras séries da high school (equivalente ao ensino médio) já usaram e-cigarros. Outras pesquisas mostraram que de 10% a 15% dos adultos norte-americanos utilizam esses produtos. São números que aumentam a cada ano e, todavia, temos poucos estudos sobre os efeitos na saúde”, diz. No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) não liberou a venda de cigarro eletrônico, mas o produto é facilmente encontrado em sites e tabacarias.

Para avaliar os riscos dos e-líquidos, a equipe de Tarran desenvolveu um sistema que detecta rapidamente o teor de toxidade das substâncias. Ele usa grandes placas de plástico que contêm centenas de recortes minúsculos,  chamados de poços pelos pesquisadores. Neles, células humanas de rápido crescimento são expostas aos diferentes líquidos. Quanto mais as substâncias reduzirem o desenvolvimento celular, maior a toxicidade delas.

“Os principais ingredientes dos e-líquidos (glicerina vegetal e propilenoglicol) são considerados atóxicos quando ministrados oralmente, mas, obviamente, os vapores do cigarro eletrônico são inalados. Nós constatamos que, mesmo na ausência de nicotina ou de aromatizantes, pequenas doses desses compostos orgânicos reduzem significativamente o crescimento das células humanas”, conta Flori Sassano, coautor do estudo.

Combinações perigosas

Além dos ingredientes-base, os e-líquidos incluem pequenas quantidades de nicotina e compostos que conferem sabor, sendo vendidos com nomes bastante atraentes, especialmente para adolescentes, como candy corn, chocolate fudge e berry splash — todos, sugestivos de guloseimas. No estudo, os cientistas avaliaram amostras de 148 líquidos e também fizeram uma análise de cromatografia e espectrometria de massa, que revelam, em profundidade, a composição química de um produto. No geral, quanto mais ingredientes, maior a toxicidade das substâncias testadas. Os mais perigosos identificados na avaliação foram dois saborizadores, vanilina e cinamaldeído, muito usados em e-cigarros.

Quando os pesquisadores usaram outros tipos de células nos testes, inclusive do pulmão humano e do trato aéreo superior, a toxicidade produzida por essas substâncias continuou elevada. Os resultados também se mantiveram quando os cientistas expuseram as células à fumaça produzida pelos e-líquidos, simulando a forma como entram em contato com a substância ao se usar o dispositivo. De acordo com Sassano, existem outros 7,7 mil vaporizadores no mercado norte-americano. “As pessoas deveriam saber mais sobre os ingredientes que eles contêm e o quão tóxicos podem ser”, defende Sassano.

Fonte: CB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here