Pet mais seguro

De olho em um mercado que não para de crescer, seguradoras oferecem coberturas especiais para tutores de cães e gatos, além de clínicas veterinárias e pet shops. Produtos incluem desde consultas e hospedagem a indenizações, no caso de danos causados aos animais durante banho e tosa

Coberturas especiais contemplam tutores e donos de estabelecimentos do mundo pet Crédito: Reprodução
Coberturas especiais contemplam tutores e donos de estabelecimentos do mundo pet   Crédito: Reprodução

Primeiro, eles nem podiam entrar em casa. Depois, a sala até estava liberada, mas nada de pular no sofá! No quarto, então, nem pensar. Mas já faz tempo que cães e gatos adquiriram outro status entre os brasileiros. De meros mascotes, passaram a integrar a família, cheios de direitos e, muitas vezes, regalias exclusivas. Para garantir o bem-estar dos pets, os tutores não economizam: em média, gastam R$ 189 mensais com eles, valor que sobe para R$ 224 nas classes A e B, segundo uma pesquisa recente do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil).

Banho e tosa, ração premium, roupinha, brinquedo, consultas veterinária, passeador, adestramento, tratamento dentário, creche canina… A lista de produtos e serviços nos quais os tutores investem para seus “filhos de quatro patas” é extensa. E está crescendo. Comum nos Estados Unidos, no Canadá e na Europa, um outro mercado começa a conquistar consumidores por aqui: o de seguros.

Além dos seguros de saúde, que oferecem coberturas diversas, as empresas estão apostando em assistências especiais, que podem ser adquiridas na contratação de produtos como seguro de vida e residencial. Dessa forma, ao comprar uma apólice de vida, por exemplo, é possível incluir serviços emergenciais e não-emergenciais para os pets.

SulAmérica, que já oferecia o seguro empresarial para pet shops (leia mais abaixo), acabou de desembarcar nesse nicho, com a Assistência Pet, lançada no início de setembro. O produto, que pode ser contratado com o seguro residencial, inclui serviços como transporte do animal em caso de emergências, consulta veterinária, envio de ração à residência, aplicação de vacina em domicílio e hospedagem do melhor amigo em caso de doença do segurado.

“Os animais de estimação fazem parte da família do segurado. Com base em estudos desse mercado, buscamos desenvolver produtos e serviços que venham a atender as necessidades específicas tanto de empreendedores em seus ramos de negócios quanto de clientes residenciais”, explica o vice-presidente de Auto e Massificados da SulAmérica, Eduardo Dal Ri.

Também foi a partir de uma pesquisa de mercado que a Bradesco Seguros começou a oferecer assistência para pets dentro do seguro de vida Multiproteção e no residencial . “A seguradora viu a necessidade e a preocupação dos beneficiários com seus animais, que são a extensão da família”, diz a corretora Eliane Araújo França. De acordo com ela, nem todos os clientes conhecem esse produto, mas, quando são apresentados a ele, a aceitação é grande. Entre os serviços, estão duas diárias de hospedagem por ano, caso o tutor adoeça; agendamento de consulta, envio de ração em domicílio e informações sobre vacinas.

“O movimento de ‘humanização do animal’ está ganhando cada vez mais espaço no mundo, independentemente de classe social”, observa Mario Cavalcante, Diretor de Massificados da Liberty Seguros. Ele lembra que, de acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (Abinpet), a população de animais domésticos do Brasil é a segunda maior do mundo, com 28,9 milhões dos lares tendo ao menos um cachorro, conforme dados do IBGE.

“Esse é um mercado a ser explorado. Um estudo realizado pela Liberty afirma que ‘a empresa que não investir nesse público perderá uma fatia significativa do mercado, e isso não vai demorar a acontecer’”, afirma Cavalcante.

Para os tutores, a Liberty oferece assistência pet no seguro de vida ou de residência. Entre os serviços incluídos, estão a organização de funeral ou a cremação do animal — um momento no qual ninguém quer pensar, mas que é parte natural do ciclo de vida do melhor amigo e não pode ser negligenciado. Tanto a assistência pet quanto o seguro para as pet shops são bem aceitas, diz Mario Cavalcante. “A procura existe e tem a tendência de aumentar, principalmente quando falamos da saúde dos animais. Ainda não são produtos e serviços amplamente difundidos e conhecidos pelos consumidores, mas nós contamos com uma ampla rede de corretores parceiros que nos ajudam a divulgar nossos produtos e serviços”, diz.

Berenice viajou para a praia com a tutora, Débora Rosa: sem seguro de viagem Crédito: Arquivo pessoal
Berenice viajou para a praia com a tutora, Deborah Rosa: sem seguro de viagem Crédito: Arquivo pessoal

Apesar do aumento na oferta de assistências para pets, as seguradoras brasileiras ainda não oferecem um serviço reivindicado pelos tutores que, cada vez mais, querem viajar em companhia dos melhores amigos. Não há, no país, seguro de viagem com cobertura para os animais de estimação, no caso de eles adoecerem ou se machucarem durante o passeio. “O mercado pet vem crescendo muito no Brasil. A gente conta com muitas facilidades e não vejo motivo para não ter um seguro de viagem”, queixa-se a professora de ioga Deborah Rosa.

Recentemente, ela viajou para a praia com a golden retriever Berenice, passeio que pretende repetir em breve. “A rotina foi completamente diferente da que temos em casa e, assim como uma criança ou até mesmo adulto, poderia acontecer qualquer coisa, desde diarreia até algo um pouco mais complicado. Nós não temos plano de saúde para ela, e em uma cidade diferente, qualquer coisa simples pode se tornar um grande problema”, afirma. Em relação à proteção de turistas, o que há no país, hoje, são indicações ou descontos de hospedagem. Na Porto Seguro, quem adquire um seguro de viagem tem desconto nos pacotes de hoteizinhos para pets, por exemplo.

Saúde

A expectativa de vida dos animais domésticos está em plena ascensão. Isso porque, além dos avanços da medicina veterinária, os tutores cuidam cada vez mais da saúde dos pets, incluindo no orçamento da família consultas de rotina, check-ups, exames sofisticados quando necessário, tratamento odontológico, fisioterapia e até terapias complementares, como acupuntura. Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (Abinpet), o segmento de produtos veterinários (excluindo os serviços) aumentou 6,7% entre 2015 e 2016. Já a pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) constatou que, para 79% dos tutores, a saúde do animal é prioridade.

De olho nesse mercado, já existe até corretora especializada em cães e gatos. A Saúde Pets atua em 13 estados, inclusive Brasília, representando uma seguradora e três empresas de planos de saúde. “Além do fato de os pets fazerem parte da família, o atendimento médico é muito caro, e já vi pessoas que perderam seus animais porque não tinham como pagar o tratamento”, diz a corretora Lúcia Sampaio. Como há planos a partir de R$ 39, ela conta que há clientes das mais variadas classes econômicas.

De acordo com a profissional, no Brasil, o único seguro pet existente é o da PetPlan, líder mundial nesse segmento, que tem três opções de coberturas (não disponíveis em Brasília). Contudo, Lúcia Sampaio destaca que esse produto ainda é mais comum fora do país, principalmente nos Estados Unidos e na Europa. Por aqui, as empresas de planos de saúde, como a Health for Pet, da Porto Seguro, encontram mais aceitação, afirma. Essa última tem rede credenciada no estado de São Paulo, no Rio de Janeiro, em Belo Horizonte e em Curitiba, mas está desembarcando no Distrito Federal no primeiro trimestre do ano que vem. Os planos da Health for Pet vão desde o light ambulatorial ao premium, com diferencial de opção para os seniores, com mais de 9 anos de idade.

Angel engoliu uma agulha e precisou de cirurgia: R$ 5,4 mil só na operação Crédito: Arquivo Pessoal
Angel engoliu uma agulha e precisou de cirurgia: R$ 5,4 mil só na operação Crédito: Arquivo Pessoal

Foi depois de um susto e de uma conta de R$ 5,4 mil, que a empresária Paula Araújo, de São Paulo, resolveu adquirir um plano para a buldogue francês Angel. “Quando ela teve que fazer a cirurgia de emergência, não tínhamos o plano. Gastamos muito e isso fez com que a gente fizesse um para ela”, conta. Angel foi parar na sala de operações por ter engolido uma agulha. Desde que a família aderiu ao produto, a cachorrinha, por sorte, não aprontou nada grave. Mas o plano já foi utilizado para exames e consultas de rotina. “Estamos muito satisfeitas. Até agora, cobriu tudo o que precisávamos e Angel tem até um cupom de descontos”, conta a tutora.

Pet shops

Para quem trabalha no setor de produtos e serviços pet, as seguradoras também oferecem coberturas especializadas.

“Cuidar de animais de estimação é um trabalho que exige seriedade, responsabilidade. Por esse motivo, é fundamental que esse tipo de seguro possa ser oferecido com coberturas e serviços que garantem proteção e, consequentemente, tranquilidade aos segurados”, ressalta Jarbas Medeiros, Superintendente de Ramos Elementares da Porto Seguro.

A empresa disponibiliza o produto Porto Seguro PetShop e Clínica Veterinária para veterinários, proprietários de clínicas e petshops, e distribuidores. Além das coberturas básica (incêndio, explosão e fumaça) e opcionais (estrutura do local, equipamentos, estoque, animais, por exemplo), há as exclusivas do segmento. A de responsabilidade civil ampara cães e gatos em caso de danos corporais durante o banho e/ou tosa e no transporte do animal para casa. Além disso, há a cobertura de danos a vacinas, quando o produto estraga devido a situações como paralisação no fornecimento de energia. Os equipamentos como soprador, secador de pedestal, compressor de ar, máquina de tosa e aparelhos médicos também podem ser segurados.

Seguradoras têm coberturas específicas para clínicas Crédito: Reprodução
Seguradoras têm coberturas específicas para clínicas Crédito: Reprodução

A SulAmérica tem um produto específico para o setor, o SulAmérica Empresarial para Pet Shops. Entre as garantias adicionais específicas, estão cobertura para danos causados aos animais deixados sob responsabilidade da empresa, despesas extraordinárias com salário de colaboradores temporários, cobertura para deterioração de vacinas e medicamentos preservados em ambiente frigorificado, e danos aos equipamentos portáteis, incluindo secadores e tosadores, entre outros. Acompanhando a tendência de crescimento do segmento de serviços para pets, esse produto teve um crescimento nas vendas de 21% de janeiro a julho deste ano, comparado ao mesmo período de 2016.

Outra seguradora que oferece produtos específicos para petshops e clínicas é a AIG. Na cobertura de responsabilidade civil, contratada dentro do seguro Pet Shops e Clínica Veterinária, estão fuga, acidente ou morte do animal, danos aos pets decorrentes de erros dos funcionários e acidentes involuntários durante o serviço de banho e tosa.

“Esse é um nicho muito interessante com capacidade para expansão. Só no estado de São Paulo, são mais de 10 mil clientes. Conforme pesquisa do Sebrae, a indústria brasileira de produtos e serviços para animais de estimação está cada vez mais em evidência, e o Brasil representa um dos principais mercados emergentes do setor no mundo”, diz Mario Cavalcante, diretor de massificados da Liberty Seguros, que também tem um produto voltado para lojas e clínicas do ramo veterinário. “Esse produto específico foi criado justamente atender as necessidades identificadas pelos donos do pet shops, como o animal se machucar no banho e tosa, o animal se perder fugir, ou até vir a falecer. Ou seja, além de se prevenir das perdas patrimoniais, o cliente também se resguarda de incidentes do dia a dia no seu ramo de atuação”, explica.

Fonte: CB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here